PREPARAÇÃO PARA PROVAS DE RESISTÊNCIA

Todos nós sabemos que o Ciclismo ainda não é um esporte tão popular no Brasil quanto é na Europa ou mesmo em outros países da América. Porém, é inegável o fato de que muito temos avançado neste esporte em solo brasileiro, tanto em número de praticantes como em número de provas organizadas para o público amador, como é o caso do Desafio Marcio May e tantas outras provas como Audax e outras mais.

Graças a estas provas abertas ao público em geral, onde competem atletas profissionais e amadores, tem crescido nos últimos anos, o número de pessoas que procuram algum especialista em busca de uma preparação mais específica para participar e concluir estes desafios que provas deste tipo nos colocam, sejam pelas longas distâncias, sejam pelas subidas de serras algumas vezes íngremes, outras vezes longas.

Quando pensamos em “treinamento”, seja ele para um atleta profissional como um atleta amador, temos de ter em mente as primeiras perguntas:

  • Qual meu objetivo?
  • Quantas semanas eu tenho até a prova em questão?
  • Quanto tempo disponho por semana para realizar os treinos?
  • Como consigo conciliar meus treinamentos com minha vida profissional e familiar?

Partindo-se destas questões, podemos facilmente traçar projetos de preparação para que possamos participar de diversos eventos como este sem prejudicarmos nossa saúde e nossa vida particular.

Para os que não são atletas profissionais damos as seguintes sugestões:

  • Trace planos reais, com objetivos que sejam possíveis de serem cumpridos. Se não sou atleta acostumado a grandes provas, meu objetivo inicial deveria ser apenas o de completar o percurso e com o passar do tempo, melhorar minha média horária por exemplo ou participar em provas mais longas e duras;
  • Faça uma avaliação de como tem sido seus últimos meses em termos de treinos, tentando relembrar quantos quilômetros ou horas você tem praticado;
  • A partir deste relatório veja quantas semanas ainda faltam até a prova alvo e tente planejar um aumento gradativo em termos de quilometragem semanal e de dificuldade, como quilômetros semanais de subidas de serra;
  • A cada três ou quatro semanas de treinos com dificuldade aumentando, faça uma semana mais leve, para propiciar ao corpo uma boa recuperação;
  • Se você trabalha durante o dia e tem de treinar à noite durante a semana, faça treinos curtos de 90 a 120 minutos no máximo, para não desgastar demais o organismo e deixe para o final de semana os treinos mais longos;
  • Em treinos acima de uma hora de duração, leve algum carboidrato junto, pode ser em pó, gel ou mesmo algum alimento;
  • Se o objetivo for o desafio Marcio May, comece devagar a colocar nos treinos algumas subidas de serra, no início curtas e leves e com o passar das semanas, incremente o treino com subidas mais longas e principalmente duras, pois o trajeto da prova é realmente um desafio, com seus 84 km de percurso, com duas subidas de serras que chegarão a 1000 metros de altitude e com trechos de 18% de inclinação;
  • Inclua nos treinamentos semanais, pelo menos dois dias de exercícios de Pilates ou musculação, ou exercício funcional, para o fortalecimento do corpo em geral, pois isso certamente reduzirá em muito as dores nas costas e braços devido ao esforço da subida;
  • Em treinos é aconselhável a utilização de marcadores de freqüência cardíaca para que você possa ter um controle do seu esforço. Quando for fazer treinos mais longos, tente manter a FC entre aproximadamente 130 a 150, ou 140 a 160 bpm. Com o passar das semanas, você irá observar que será necessário aumentar a média horária para manter a mesma FC, pois seu organismo já estará adaptado ao esforço e somente um incremento na carga fará com que a FC aumente. Esta é uma ótima maneira de se ter controle e não treinar nem fraco demais, nem em demasia.

O ideal seria a contratação de um profissional de educação física que conheça de ciclismo, para que este possa fazer com que seu tempo de treino seja otimizado evitando desperdícios de tempo e principalmente a falta de objetividade.

E um último conselho, não treine demais, pois geralmente as pessoas erram mais pelo excesso do que pela falta de treino. Você tem de treinar de uma maneira que seja possível ao organismo assimilar estas cargas e se recuperar, com a finalidade de melhorar. Respeite seus limites e suas horas de sono diárias.  Alimente-se de forma correta.

Com cuidados básicos como estes, certamente é possível desfrutar de bons momentos  e aproveitar bem o percurso do Desafio Marcio May que aliás, é um dos mais belos trajetos para se pedalar. A natureza ajudou fazendo um percurso belíssimo, agora é com todos vocês a alegria de participar desta prova que só cresce a cada ano.

Bons treinos e até novembro.

Rogério Muller – CREF 805-G/SC

Assessoria em treinamento de ciclismo, MTB e Triatlhon

www.rogeriomuller.com

Texto publicado na Revista Bike Action – Coluna Ciclismo a Fundo

 

Esta entrada foi publicada em Matérias e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>